TUDO SOBRE A COMUNIDADE DAS ARTES

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Selecione a area onde pretende pesquisar

Conteúdos

Classificados

Recursos

Workshops

Crítica

Entrevistas

As paixões de Steven Gillon

Por

 

COFFEEPASTE
19 de Fevereiro de 2024

Partilhar

As paixões de Steven Gillon

"9 Pieces for Childhood", o segundo disco do jovem compositor Steven Gillon, chegou dia 2 de fevereiro às plataformas digitais. Uma composição de piano e violoncelo de 9 faixas,

numa homenagem nostálgica à infância. O álbum reflete sobre a beleza da inocência da infância e a tristeza de se crescer demasiado rápido. Conversámos com Steven Gillon para saber mais.


Como é que a música entra na tua vida? 

Cresci numa família em que se ouvia música praticamente todos os dias, por isso é difícil escolher um momento exato. Recordo-me vagamente de a música ser algo intenso para mim. Recebi uma bateria de brincar aos 3 anos, e a minha mãe conta que passava muito tempo a tocar. Diria que essa altura foi crucial para o desenvolvimento do meu interesse musical. 


Aos 11 anos comecei a ter aulas de bateria e mais tarde fiz parte de bandas de garagem, onde predominava o rock e o metal, que eram os estilos que ouvia naquela altura. Foi aos 16 anos que começou a minha aventura ao piano, quando descobri o mundo da música clássica, um género a que nunca tinha dado a devida atenção. Comecei a ter uma maior necessidade de me expressar musicalmente e apenas segui o meu instinto, dedicando-me à composição para piano no meu tempo livre. 

 

Fala-nos um pouco do teu percurso artístico 

Ao mesmo tempo que comecei a estudar piano, ganhei muito interesse por cinema. Acabei por escolher estudar na Escola Artística António Arroio, no curso de Comunicação Audiovisual, com a intenção de ser um futuro realizador. Apesar de já ter muito amor pela música, naquela altura nunca considerei a possibilidade de me tornar compositor. Mas com o passar do tempo a minha paixão por piano e composição foi crescendo e a ideia de me tornar compositor como profissão começou a parecer-me fascinante. Decidi que o melhor seria fazer música para filmes e não, realizá-los. Hoje em dia não só tenho o foco de trabalhar nas minhas peças, como também tenho muito interesse em trabalhar em cinema.


Em 2019 lancei o meu primeiro disco “Pequenas Inquietudes” que deu início à minha carreira como compositor. Tive a oportunidade de trabalhar em alguns projetos de cinema e televisão, como as curtas-metragens “Escuro”, de Leonor Alexandrino e “Meu Castelo, Minha Casa”, de José Mira e a série documental “Raízes & Frutos”, de Edgar Ferreira. Escrever bandas sonoras para publicidade também tem sido algo recorrente no meu percurso. 

 

Que inquietações te levam a criar? 

Criar é algo que me traz imensa felicidade e acrescenta valor à minha vida. Não vejo uma inquietação específica para além desta vontade de criar. Estar em constante conflito comigo mesmo, à procura da melhor forma de expressar musicalmente o que desejo comunicar é muito entusiasmante para mim. O meu maior foco tem sido ser o mais honesto possível com a minha música. Sinto-me verdadeiramente realizado quando sei que o que crio é genuíno e sincero para comigo mesmo. 


Que compositores influenciam o teu trabalho? 

São quatro os compositores que têm sido importantes para o meu processo criativo: Federico Mompou, Alexander Scriabin, Arvo Pärt e Jóhann Jóhannsson. Compositores um pouco distintos, com uma voz muito própria, onde a sua influência depende muito do projeto que esteja a desenvolver. "9 Pieces For Childhood" foi principalmente influenciado pelos pequenos prelúdios de Scriabin e Mompou, já o meu single "Desolatus" Pärt e Jóhann foram a principal influência. A presença destes quatro compositores tem sido determinante para o meu processo criativo. 

 

O que inspirou o álbum "9 Pieces for Childhood”? 

Após o lançamento do meu primeiro disco, “Pequenas Inquietudes”, em 2019, comecei a refletir profundamente sobre a minha infância. Este tema tornou-se constante na minha mente, e percebi rapidamente que desejava explorá-lo musicalmente. Este álbum é uma homenagem nostálgica à infância, que contempla tanto a beleza da sua inocência como a tristeza de crescer demasiado depressa. Apresenta diversas perspetivas, tanto a de uma criança, como a de um adulto que reflete sobre a sua infância de forma mais consciente. 


Sendo este disco inspirado em acontecimentos da minha própria vida, optei por numerar as faixas, de modo a que o título não influenciasse o ouvinte, permitindo a cada um relembrar a sua infância sem a influência da minha. 

 

Como descreverias a sonoridade do álbum? 

Nostalgia, inocência, simplicidade, delicado e intimista são algumas palavras que para mim definem a sonoridade do meu disco. 

 

Fala-nos da escolha de piano e violoncelo para este trabalho 

A decisão de juntar estes dois instrumentos foi muito natural. Não tenho uma razão forte para ter escolhido este duo. Violoncelo é um dos instrumentos para o qual mais gosto de escrever, além disso, é um instrumento muito versátil, com um timbre quente capaz de expressar tanto melancolia como alegria com uma forte sensação de profundidade. Estes dois instrumentos fazem uma perfeita simbiose e é certo que não vai ser a última vez que escrevo para este duo. 

 

Que desafios te trazem os teus trabalhos para TV, cinema e publicidade? 

Escrever música para cinema, televisão ou publicidade, apesar de exigir uma abordagem distinta para cada meio, é um processo de trabalho que requer colaboração e adaptação às necessidades de cada produção. A principal função do compositor é compreender a visão do realizador e ser o mais criativo possível com as limitações musicais impostas. Este é o maior desafio e, talvez, o mais entusiasmante. A presença destas restrições, permite-nos ser inovadores e promover um resultado artístico que, sem as mesmas, seria muito difícil de concretizar. Outro ponto importante, é que não interessa se fazemos a nossa maior obra-prima, se a peça não está em harmonia com a imagem ou filme, tem que ser descartada. Isto é uma lição de humildade que nos obriga a compreender que, nesta área, estamos sempre ao serviço da imagem e não do nosso ego. O segundo maior desafio são as míticas “deadlines”. Quando trabalhamos na nossa própria música, podemos demorar 3 meses ou mais a escrever uma peça. Por sua vez, em projetos de televisão, cinema ou publicidade, acontece termos de compor e entregar uma proposta em 2 a 3 dias. Isto faz com que a abordagem criativa e o processo de trabalho sejam totalmente diferentes. É crucial aceitar as nossas fraquezas e limitações, como o nosso skillset, ou ferramentas que temos ao nosso dispor, para conseguir entregar o trabalho a tempo e horas. Este processo já me proporcionou descobertas magníficas, onde não só percebi áreas que posso melhorar, mas também me surpreendi com o que sou capaz de realizar ao aceitar as minhas limitações e me deixar guiar pelo instinto. Acredito que podia falar de mais dezenas de desafios que esta área proporciona, mas no final do dia, o que realmente me fascina e me faz querer continuar a compor para imagem é a constante procura de inovação dentro dos limites musicais de cada projeto. 

 

A música pode salvar? 

A minha resposta é sim, pode salvar, mas depende sempre do ouvinte e não da música. Temos de estar emocionalmente disponíveis para receber música com uma certa intensidade. Tanto podemos usar a música como um escape à nossa vida como uma exploração e reflexão daquilo que somos e o mundo que nos rodeia. Mas claro, a música é diferente para toda a gente e cada um usufrui esta arte da forma que entender. No meu caso, vivo a música intensamente, começo e acabo o meu dia a pensar em música. Portanto, diria que a música me salva todos os dias. 

 

Apoiar

Se quiseres apoiar o Coffeepaste, para continuarmos a fazer mais e melhor por ti e pela comunidade, vê como aqui.

Como apoiar

Se tiveres alguma questão, escreve-nos para info@coffeepaste.com

Mais

 

Entrevistas

Segue-nos nas redes

As paixões de Steven Gillon

Publicidade

Quer Publicitar no nosso site? preencha o formulário.

Preencher

Inscreve-te na mailing list e recebe todas as novidades do Coffeepaste!

Ao subscreveres, passarás a receber os anúncios mais recentes, informações sobre novos conteúdos editoriais, as nossas iniciativas e outras informações por email. O teu endereço nunca será partilhado.

Apoios

01 República Portuguesa
02 Direção Geral das Artes
03 Lisboa

Copyright © 2022 CoffeePaste. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por

As paixões de Steven Gillon
coffeepaste.com desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile