TUDO SOBRE A COMUNIDADE DAS ARTES

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Selecione a area onde pretende pesquisar

Conteúdos

Classificados

Recursos

Workshops

Crítica

Artigos
Crítica

Fogo que arde sem se ver

Por

   

Pedro Mendes
22 de Setembro de 2022

Partilhar

Fogo que arde sem se ver

O realizador João Pedro Rodrigues já nos habituou a caminhar de mão dada com o risco, com filmes como “O Fantasma” (2000), “Morrer como um homem” (2009) ou “O Ornitólogo” (2016). Desta feita, em “Fogo-Fátuo”, conta-nos a história do jovem principe Alfredo (Mauro Costa) que decide ser bombeiro para ajudar no combate aos incêndios em Portugal. E assim faz. Ao chegar ao quartel, apaixona-se por Afonso (André Cabral). Seguem-se uma série de peripécias alusivas à vida no combate aos fogos, ao mesmo tempo que acompanhamos o desenrolar da relação entre os dois.

A sequencia de boas vindas ao quartel, cheia de referências à história da arte introduz ao mesmo tempo intelectualidade e humor, humor esse que percorre todo o filme. Há tiradas que vão ficar como referência, mas que não vou revelar para não quebrar o impacto.

Outros temas aflorados são, além das alterações climáticas, do COVID-19 e a referida história da arte, o universo LGBTQI+, que caracteriza a filmografia de João Pedro Rodrigues.

Fazem parte do elenco, além do par romântico, uma série de actores que estamos acostumados a ver pelos palcos, tais como Cláudia Jardim, Miguel Loureiro, Joana Barrios, João Mota, João Villas-Boas e João Reis Moreira. O filme conta com as participações muito especiais do fadista Paulo Bragança e do ex futebolista Oceano da Cruz.

O realizador define este trabalho como uma fantasia musical, estilo que confessa ter inventado, e que explica em entrevista ao Coffeepaste, a publicar muito em breve.

O filme está a fazer o circuito dos festivais. Esteve em destaque em Cannes e em Bruxelas, tendo também sido o filme de abertura da edição de 2022 do Queer Lisboa.

Em resumo, este é um filme que tem potencial para agradar a vários publicos. Toca em temas importantes, como já foi referido, mas não perde alguma leveza, devido ao humor e à música, presentes do principio ao fim.

“Fogo-fátuo”, de João Pedro Rodrigues
Estreia: 29 de setembro 2022

Apoiar

Se quiseres apoiar o Coffeepaste, para continuarmos a fazer mais e melhor por ti e pela comunidade, vê como aqui.

Como apoiar

Se tiveres alguma questão, escreve-nos para info@coffeepaste.com

Mais

 

Artigos

Segue-nos nas redes

Fogo que arde sem se ver

Publicidade

Quer Publicitar no nosso site? preencha o formulário.

Preencher

Inscreve-te na mailing list e recebe todas as novidades do Coffeepaste!

Ao subscreveres, passarás a receber os anúncios mais recentes, informações sobre novos conteúdos editoriais, as nossas iniciativas e outras informações por email. O teu endereço nunca será partilhado.

Apoios

01 República Portuguesa
02 Direção Geral das Artes
03 Lisboa

Copyright © 2022 CoffeePaste. Todos os direitos reservados.

Digital Product by BondHabits