TUDO SOBRE A COMUNIDADE DAS ARTES

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Selecione a area onde pretende pesquisar

Conteúdos

Classificados

Recursos

Workshops

Crítica

Artigos
Crítica

Jesus, o Filho. O Único. O Só.

Por

   

Tânia Ramos
28 de Setembro de 2022

Partilhar

Jesus, o Filho. O Único. O Só.

“Jesus, o Filho” é uma imersão nas relações familiares – com os seus conflitos, incertezas, dúvidas e arrependimentos.

Neste episódio escrito e encenado por Elmano Sancho embrenhamo-nos nas amarguras de Jesus. Começa por partilhar a solidão, a angústia sempre do ponto de vista de quem se sente deixado para trás por todos os seus. Ao ponto de considerar como única alternativa o seu próprio fim.

Os pais entram então em cena, José e Maria. Como todos os pais, em todos os momentos da vida, ouvem-se os imensos “E se…”. Pensamos sempre como teriam sido as coisas se tivessem ocorrido de outra forma. Como se fosse essa a nossa única capacidade de apaziguar o resultado final do que nos acontece. José e Maria olham para o que lhes resta da memória, num chão manchado pela podridão. Debatem (e debatem-se) com frustração, tristeza, raiva. Passam-nos esses sentimentos – porque todos nós, em alguma fase da vida já tivemos manchas podres no nosso chão.

É hora do cozido e ficamos com Jesus novamente. Continuamente insatisfeito consigo, com a sua pele. Com o que sente, o que é. O que fez, o que podia ter feito.

Numa nota irónica chega-nos a informação radiofónica sobre como fazer face ao aumento da população no planeta. E, apesar de haver a promessa de um extermínio, sentimos a felicidade da família por não preencher os requisitos – ainda para mais é Ano Novo. O ano que nos traz as portas abertas novamente, as hipóteses de recomeço, de alegria. As passas, mais do que desejos, parecem promessas do que se anseia para a vida. Ritmadas, obrigatórias.

O conflito familiar continua – a mudança da hora, a mudança da estação. A mudança de planos. A vida como ela é e nunca como poderia ter sido. A vida olhada por cima do ombro, para trás. A incerteza do que estamos a ver: é o que nos aconteceu ou o que poderia ter acontecido?

A peça desenvolve-se no recurso aos 4 passos para uma boa confissão:

  1. Exame de Consciência (“… tenho muita pena de Vos ter ofendido…”)

  2. Contrição (“…. Ajudai-me a não tornar a pecar…)

  3. Confissão

  4. Penitência

Com interpretação de Elmano Sancho, Joana Bárcia e Vicente Wallenstein este pedaço de retábulo faz-nos a todos pensar nas nossas amarguras, nos nossos mundos paralelos desenhados com base no caminho que não fizemos. A mensagem é forte, dura e desconcertante. Mas consegue ser passada com pequenos apontamentos de humor magistralmente interpretados.

As luzes e sonoplastia têm um papel preponderante para a passagem da mensagem. Jesus, o jovem cidadão comum – sozinho – sem direito aos ladrões – um de cada lado.

Jesus olha-nos nos olhos, coloca o dedo nas nossas feridas e faz-nos juntar as nossas vozes à sua numa pergunta que fica por dizer, mas que está em todo o texto desta peça: “Meu Deus, porque me abandonaste?”

Jesus, o Filho
Texto e encenação: Elmano Sancho
Teatro da Trindade

Foto de Filipe Ferreira

Apoiar

Se quiseres apoiar o Coffeepaste, para continuarmos a fazer mais e melhor por ti e pela comunidade, vê como aqui.

Como apoiar

Se tiveres alguma questão, escreve-nos para info@coffeepaste.com

Mais

 

Artigos

Segue-nos nas redes

Jesus, o Filho. O Único. O Só.

Publicidade

Quer Publicitar no nosso site? preencha o formulário.

Preencher

Inscreve-te na mailing list e recebe todas as novidades do Coffeepaste!

Ao subscreveres, passarás a receber os anúncios mais recentes, informações sobre novos conteúdos editoriais, as nossas iniciativas e outras informações por email. O teu endereço nunca será partilhado.

Apoios

01 República Portuguesa
02 Direção Geral das Artes
03 Lisboa

Copyright © 2022 CoffeePaste. Todos os direitos reservados.

Digital Product by BondHabits