TUDO SOBRE A COMUNIDADE DAS ARTES

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Selecione a area onde pretende pesquisar

Conteúdos

Classificados

Recursos

Workshops

Crítica

Artigos
Crítica

Poema cénico

Por

 

Statt Miller
14 de Fevereiro de 2024

Partilhar

Poema cénico

Em cena na Sala Azul do Teatro Aberto, João Lourenço apresenta a sua mais recente encenação, Tempestade Ainda, de Peter Handke. Nesta peça de 2010, o autor romancista, guionista e dramaturgo, prémio nobel da literatura, mais conhecido em contexto nacional pelas obras teatrais Insulto ao Público, e A hora em que não sabíamos nada uns dos outros, toma-se como personagem protagonista da história a ser contada.

 

O tempo da acção divide-se em dois planos temporais: o tempo presente do autor, adulto, e a sua pré-infância, ou seja, o enquadramento sociopolítico da sua família e dos acontecimentos que o geraram como filho em Caríntia, na Eslovénia, ocupada pelo terceiro Reich, mais precisamente no ano de 1943.

 

Assim, o espectáculo inicia-se com Peter Handke, interpretado por João Pedro Vaz, a entregar-nos aquilo que vai ser uma revisitação do seu passado. No palco assiste-se a um exercício brechtiano que faz uma viagem no tempo a partir de memórias ficcionadas que permitem ao dramaturgo, e ao público, rever os seus ascendentes e o impacto que os acontecimentos da terceira guerra mundial tiveram nas gerações dos seus pais e avós.

 

Os avós (Luís Barros e Susana Arrais), tios (Carolina Picoito Pinto, Sérgio Praia, Manuel Sá Pessoa, Mia Henriques) e mãe de Handke (Crista Alfaiate) formam o agregado familiar: são camponeses eslavos que vivem a tensão entre as duas fações da segunda guerra mundial. Estão proibidos de falarem a sua própria língua, e os seus tios vêem-se obrigados a alistarem-se nas tropas nazi. A sua tia mais nova, irmã destes tios, opera, por sua vez, a partir da floresta, como elemento dos partisans, que oferecem resistência à ocupação alemã.

 

Importa sobretudo reviver a história da sua mãe na flor da idade, a sua heroína, que durante a ocupação nazi se apaixona e engravida de um soldado alemão, pai de Handke, que nunca se chega a saber quem é. A intriga é acompanhada por músicos em palco, que introduzem os momentos musicais e são acolhidos como contracena em determinados momentos da peça.

 

O espectáculo desenvolve-se ao longo de V actos. Peter, o narrador que acompanha a história ora de modo participante, ora ausente, é o promotor da linha cronológica que se desvenda a partir de um cenário que opera a partir do simbólico, representando a natureza humana e a paisagem da sua região natal.


A maquinaria de palco é protagonista neste espectáculo. A partir de um verde absoluto e profundo, que emite a sensação da paz desejada nesta intriga, a cena transforma-se constantemente, ora fazendo surgir do subpalco uma árvore, em representação do pomar da família, ora revelando as montanhas de Caríntia, local de conflito significante da resiliência dos seus habitantes, ora utilizando a plataforma giratória do centro do palco mais os planos que se elevam desde o solo, criando uma contracena visual e activa entre os intervenientes.


As metáforas cenográficas de João Lourenço impõem-se, cercando toda a dinâmica da história, contrastando com esta pela sua impressão de verdes campos, campos de macieiras e enormes montanhas que dominam a intriga familiar a par do clima do conflito mundial.  


Com um breve tom de elegia, a tragédia (categorização do dramaturgo) e a encenação de João Lourenço envolvem em poesia e imagens poéticas o que em cena acontece. É um espectáculo logo-centrado, implicado na produção poética das paisagens e das imagens através das palavras, numa dinâmica de diálogo preenchida pelas memórias passadas do narrador e pelos sentimentos presentes da família, numa interpretação quase matemática que se sente bastante calculada pela direcção, que evita maiores rasgos por parte do trabalho do elenco.


Destaca-se a clareza da encenação, que sublinha a memória como identidade e conflito, produtor de estória e História. Tem como calcanhar de Aquiles momentos em que elementos, como a utilização de microfone, parecem não ir ao encontro do que em cena se desenha. Também a cena da descrição dos campos de concentração, que são dados a ver num momento coral em que os actores, apenas com o rosto iluminado, arrastam uma estrutura metálica do fundo até quase à boca de cena, cria uma recessão no ritmo em vez de contribuir para um momento necessário de tensão progressiva.


Tempestade Ainda é um espectáculo-meta-reflexão sobre a meteorologia dos Homens sem primavera, cuja narrativa familiar alcança e cogita os temporais da humanidade em conflito.


18 de janeiro 2024, Sala Azul, Teatro Aberto


Novo Grupo. Texto: Peter Handke. Versão dramatúrgica: João Lourenço e Vera San Payo de Lemos. Encenação: João Lourenço. Direcção musical: Renato Júnior. Coro: João Paulo Santos. Músicos: Carlota Ferreira e Ernesto Rodrigues. Cenografia: João Lourenço. Figurinos: Marisa Fernandes. Desenho de luz: João Lourenço

Interpretação: Carolina Picoito Pinto, Crista Alfaiate, João Pedro Vaz, Luís Barros, Manuel Sá Pessoa, Mia Henriques, Sérgio Praia e Susana Arrais.

 

Este texto está também publicado em www.ocalcanhardeaquiles.wordpress.com

Apoiar

Se quiseres apoiar o Coffeepaste, para continuarmos a fazer mais e melhor por ti e pela comunidade, vê como aqui.

Como apoiar

Se tiveres alguma questão, escreve-nos para info@coffeepaste.com

Mais

 

Artigos

Segue-nos nas redes

Poema cénico

Publicidade

Quer Publicitar no nosso site? preencha o formulário.

Preencher

Inscreve-te na mailing list e recebe todas as novidades do Coffeepaste!

Ao subscreveres, passarás a receber os anúncios mais recentes, informações sobre novos conteúdos editoriais, as nossas iniciativas e outras informações por email. O teu endereço nunca será partilhado.

Apoios

01 República Portuguesa
02 Direção Geral das Artes
03 Lisboa

Copyright © 2022 CoffeePaste. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por

Poema cénico
coffeepaste.com desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile