TUDO SOBRE A COMUNIDADE DAS ARTES

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Ajuda-nos a continuar a ajudar a comunidade na busca de oportunidades, e a continuar a levar-te conteúdos de qualidade.

Selecione a area onde pretende pesquisar

Conteúdos

Classificados

Recursos

Workshops

Crítica

Artigos
Crítica

“Centema” e a Musgo em trabalho de parto…

Por

 

Joana Neto
20 de Fevereiro de 2024

Partilhar

“Centema” e a Musgo em trabalho de parto…

A Musgo é uma companhia criada em 2011 que já levou a cena 13 espetáculos, “Gostava de ter um periquito”, “A casa de Georgienne”, “Eldorado”, “Nó”, “Revelário”, “Ninguém para a minha bicicleta”, “Algo Azul”, “Apeadeiro”, entre outros…


Este projeto foi criando, como já tive oportunidade de assinalar, o seu público, sobretudo no distrito Porto onde está sediada.


O espetáculo que nos é proposto e que estará em cena mais uma semana e ainda pode (e deve!) ser visto, estreou no Porta Jazz, na Praça da República, 156 é, diria, e não avançarei muito mais sob pena de comprometer a dramaturgia, um recado, quase íntimo, da companhia Musgo ao seu público. 


Pode-se dizer que é uma espécie de alegoria do tempo (requisito para a criação artística) e da precariedade (alçapão onde tantos profissionais do setor cultural acabam por cair). A forma, fragmentada, quase descontinuada, do espetáculo serve essa mensagem. É nesse limbo, nesse fio de arame, nessa incerteza em que os profissionais da cultura se movem que se desfia uma hora de espetáculo e é para esses múltiplos lugares de contornos precisos, mas incertos, que somos levados, entre luzes que se acendem e apagam, máscaras que se vestem e despem.


Trata-se de um trabalho, honesto e despretensioso, em que se volta a cozer o talento do ator Gilberto Oliveira com a acutilância dos textos da Joana Moraes. À nossa frente, nesta "intervenção teatral", espreitamos o horizonte do possível. Entre o passado de uma companhia que já nos deu tanto e a perspetiva do que ainda nos pode proporcionar existe este espetáculo, que vai recolhendo momentos, experiências às quais procura atribuir um sentido. Somos confrontados com um depoimento em que se explora uma ligação de proximidade com o espectador, desconstruindo a barreira entre atores e público. Sentados nas cadeiras somos trazidos para o quotidiano, o lugar onde se oferece um olhar próximo sobre o real de cada um, e é nesse espaço individual que se é chamado a pertencer à família artística da Musgo. A partir da soma das nossas reflexões e sensibilidades individuais, convocadas a partir de estímulos muito diferentes, compreendemos, descomplexada e intuitivamente, a cultura como o edifício onde se constroem, afinal, todas as relações coletivas.


Musgo, cá esperamos, ansiosamente, o fruto dessa gravidez... Até lá, não percam esta oportunidade. 

Apoiar

Se quiseres apoiar o Coffeepaste, para continuarmos a fazer mais e melhor por ti e pela comunidade, vê como aqui.

Como apoiar

Se tiveres alguma questão, escreve-nos para info@coffeepaste.com

Mais

 

Artigos

Segue-nos nas redes

“Centema” e a Musgo em trabalho de parto…

Publicidade

Quer Publicitar no nosso site? preencha o formulário.

Preencher

Inscreve-te na mailing list e recebe todas as novidades do Coffeepaste!

Ao subscreveres, passarás a receber os anúncios mais recentes, informações sobre novos conteúdos editoriais, as nossas iniciativas e outras informações por email. O teu endereço nunca será partilhado.

Apoios

01 República Portuguesa
02 Direção Geral das Artes
03 Lisboa

Copyright © 2022 CoffeePaste. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por

“Centema” e a Musgo em trabalho de parto…
coffeepaste.com desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile